Critica da Liberdade abstracta N° 6

      O exame da ideia de Liberdade mostra que esta ideia não é abstracta, senão em aparencia.

       A ideia de Liberdade corresponde, efectivamente, às condições sociais; e, neste sentido ( concreto, real, pratico ) representa uma arma, nas suas lutas. Assim, e somente assim, a ideia de Liberdade encontra uma verdade e uma dignidade mais elevada: atingindo um sentido vivo.

       A ideia abstracta de Liberdade sempre serviu como arma, na luta. Deveremos, contudo, notar que esta ideia, como toda a arma ideologica, possuiu duplo gume, podendo empregar-se em sentido bastante diferente.

        Durante a juventude, Marx jà se apercebera de tal, aquando do debate na Diète Renania sobre a Liberdade da Imprensa. Que significa a supressão da " Liberdade da Imprensa ", sem a supressão da propria Imprensa? Melhor dizer que a Liberdade se torna o previlegio da cençura e do censor.

        -- a Liberdade constitui, de tal maneira, a essencia dos homens que mesmo os seus adversarios a realizam, ao combaterem a realidade; eles querem apropriar-se daquilo que regeitam como sendo uma mera fachada da natureza humana. Homem algum combate a Liberdade; quando muito, combate a Liberdade dos outros...>> 

       E, aqueles que combatem a Liberdade dos outros, não o podem fazer sem se servirem da Liberdade, da sua ideia e da sua realização!!!

       Num certo sentido, toda a obra de Marx comenta e parafraseia este combate, acerca da ideia e da realização da Liberdade.

 

( Consideraremos a noção de Liberdade, a partir da proxima Segunda-feira, dia 19 de Março de 2012, em: " N° 7 - A " ).

 

Poderão encontrar mais publicações nossas, em:

1) http://filosofiaxauteriana.wordpress.com

2) http://polemicando.over-blog.com   ou tambem em www.polemicando.net

3) http://ltsc.sanspubs.com    ou ainda em http://DemocraciaPopular.wordpress.com

 

Os vossos E-mails deverão ser enviados para:

1) filosofia-xauteriana@numericable.fr

2) ltsc@numericable.fr

3) filosofia-xauteriana@iol.pt

4) ltsc@iol.pt

5) pablonodrade@sapo.pt

publicado por filosofia-xauteriana às 14:12 | comentar | favorito