Critica da Liberdade abstracta N° 7 -- B

      -- Quanto menos a autoridade preside à divisão do trabalho na Sociedade, tanto mais a divisão do trabalho se desenvolve no interior da oficina -- e, esta, fica mais submetida à autoriedade dum unico. Assim, a autoriedade na oficina e na sociedade ( relativamente à divisão do trabalho ) estão em razão inversa uma da outra. ( "Miseria da Filosofia ").

        No decorrer da Idade Media, foi frequentemente ao grito de << Liberdade >> que os burgueses das cidades conquistaram ( ou guardaram ) os seus direitos a uma administração autonoma. Em seguida, a palavra altera-se para um outro sentido, um sentido novo. Não se trata mais da liberdade local, da cidade -- mas da << Liberdade >> universal e abstracta, a do individuo humano.

        Concretamente, antes de tudo, trata-se de permitir aos individuos de se libertarem da organização feudal, para entrarem numa nova organização, onde a autoriedade não pertenceria mais aos representantes da comunidade ( real ou fictiva ), mas a um << livre >> individuo, entre os demais: um possuidor de capital.

        A burguesia, recem-nascida, pretende desenvolver o comercio, as trocas. Portanto, ela reclama a liberdade comercial, a liberdade de circulação e das deslocações.

        Convem realçar que a dissolução teorica das relações feudais ( da compartimentação feudal, das barreiras à livre circulação dos individuos e coisas, etc. ) foi precedida por uma dissolução real. A palavra de ordem e a ideia da Liberdade não apareceram senão tardivamente: no seculo XVI, atravez das ideologias religiosas e da heresia protestante -- no seculo XVII, no cartesianismo; no seculo XVIII, no conjunto da filosofia.

 

( a continuar na proxima Sexta-feira, dia 23 de Março de 2012, em " N° 7 - C " ).

 

Podera encontrar outras das nossas publicações, em:

1) http://filosofiaxauteriana.wordpress.com

2) http://polemicando.over-blog.com

3) www.polemicando.net

 

Encontra-nos:

1) no FACEBOOK em LiberdadeReal JustiçaSocial

2) em Pablo Oñora de Andrade no http://twitter.com

 

A vossa correspondencia ( E-mail ) devera dirigir-se a:

1) filosofia-xauteriana@numericable.fr

2) ltsc@numericable.fr

3) ltsc@iol.pt

4) pablonodrade@sapo.pt

publicado por filosofia-xauteriana às 20:39 | comentar | favorito