Critica daLiberdade-abstracta N° 13-B

      A burguesia é a classe que nega as classes.

      Os feudais afirmavam as classes, à maneira deles, distinguindo ai as << ordens >> ou os Estados que lhes pareciam fundados sobre realidades eternas, sobre distinções absolutas entre os seres humanos: nobreza, clero, terceiro-mundo -- compreendendo os burgueses, os artifices, os camponeses, etc. A burguesia nega as classes e, esta, é precisamente a sua ideologia de classe. Ela destruiu as comunidades naturais, com o seu << individualismo >> para, em seguida se obstinar a desintegrar o proletariado, reduzindo-o numa poeira de individuos isolados -- em << atomos >> sociais.

       O atomo << livre>> e << independente >>, que não existe na natureza, existe ainda menos na sociedade.

       << O atomo não tem necessidades, basta-se a ele mesmo; o mundo, à sua volta, é o vasio absoluto... O individuo-egoista, da sociedade burguesa, na sua representação abstracta, na sua abstracção morte, transforma-se em atomo, ou seja: num ser sem relações... >>, mas esta << abstracção morte >> manifesta, imediatamente, o seu absurdo: o individuo mais egoista ultrapassa-a, senão pelas suas carencias e fraquezas naturais mas, tambem, pelas << alienações >> que possam advir da sociedade burguesa ( citação de " Santa Familia ", edição Nehring, tomo II, pagina 284 ).

 

( a continuar na proxima Sexta-feira, dia 18 de Maio de 2012, em " N° 13 - C " ).

 

Estamos apreciando a interpretação do Marxismo, segundo MAO TSE-TOUNG, em:

 

http://filosofiaxauteriana.wordpress.com

 

Apresentamos um resumo historico da PRIMEIRA INTERNACIONAL, em:

http://polemicando.over-blog.com      ou    www.polemicando.net

 

Podera endereçar seus E-mail's, para:

1) filosofia-xauteriana@numericable.fr

2) ltsc@iol.pt

3) pablonodrade@sapo.pt

publicado por filosofia-xauteriana às 21:02 | comentar | favorito