Introdução N°5 ( em português )

PRINCIPIOS DO MARXISMO


               por

 

FILOSOFIA XAUTERIANA

 

                                     ------------------------ // ------------------------

 

 

      Bastantes sociologos e historiadores, muito cultos, que recusam romper com o capitalismo, empenham-se a mascarar os factos, atestando que os sistemas sociais se desenvolvem e se modificam em virtude de leis que lhes são proprias, não dependendo da vontade das classes dominantes nem dos seus ideologos.

 

      Os teoricos da burguesia combatem, portanto, o conceito marxista da Historia -- não porque ele esta errado, mas precisamente porque ele é verdadeiro.

 

      A verdadeira Ciencia, graças ao conhecimento das leis que fazem agir as forças da natureza ou da sociedade, é sempre capaz de fazer previsões. A Ciencia Marxista das leis da evolução social permite não unicamente se orientar ( no labirinto das contradições sociais ) como, tambem, prever o desenrolar dos acontecimentos, assim como a via do progresso historico e as proximas etapes do futuro social.

 

     Assim, o Marxismo oferece um instrumento com o qual se pode rasgar o nevoeiro do futuro e compreender as proximas reviravoltas historicas. E como um << telescopio do tempo >>. Descobre as perspectivas grandiosas da Humanidade de amanhã, liberta do jugo capitalista -- este ultimo regimen da exploração do Homem pelo homem. Porem, sempre que a Ciencia-vanguardista convida os sabios burgueses ( convencidos de que << nada é previsivel >> ) a olharem pelo << telescopio >> marxista, eles fecham os olhos: porque o futuro os assusta!!!

 

      Os marxistas não receiam isto. Representando uma classe à qual o futuro pertence, estes desdenham as ilusões que se dissipam em fumo ao contacto com os factos, ao contacto da Ciencia.

 

( a continuar )

 

 

Outro dos nossos blogs = http://venceremos.blogs.sapo.pt

 

Enviem os vossos e-mails para:

 

1) pablonodrade@sapo.pt

 

2) filosofia.xauteriana@live.fr

 

3) filosofia.xauteriana@gmail.com

publicado por filosofia-xauteriana às 23:15 | comentar | favorito