Critica da Liberdade abstracta N° 3 - B

      Perigo:

      -- A consciencia pode, realmente, imaginar-se ser uma coisa diferente da consciencia da pratica existente e que, assim, ela representa outra coisa outra qualquer coisa sem representação real. ( " Ideologia Alemã ", pagina 170 )

      Noutras palavras: a ilusão da liberdade e de independencia da consciencia-de-si que toma nas suas formas confusas, de nascença, é quase tão velha como os homens. Esta ilusão encontra-se na base de toda a ideologia -- porque, a partir dum dado momento << a consciencia esta prestes a emancipar-se do mundo, passando à invenção da pura teoria >>. Se a pura teoria entra em contradição com as condições praticas existentes, o facto historico fica, ele mesmo, condicionado; significa que as condições sociais existentes entraram em contradição com elas proprias.

      << Divisão do trabalho e propriedade-privada são expressões equivalentes >>, uma conduz à outra, ou não senão um mesmo aspecto de ambas.

      Ora a divisão do trabalho e a propriedade-privada conduziram para a dissolução da comunidade  humana; o que permitira à << consciencia de si >> ( individual ) acreditar-se completamente independente e considerar suficiente a sua liberdade.

      Porem, não é tudo! Esta dissolução da comunidade real acompanha-se pela formação duma aparente comunidade, que é fictiva.

 

( a continuar na proxima Segunda-feira, dia 20 de Fevereiro de 2012, em " N° 3- C " ).

 

Outras publicações que podera consultar:

1) http://filosofiaxauteriana.wordpress.com

2) http://polemicando.over-blog.com

3) www.polemicando.net

4) http://filosofiaxauteriana.novelablogue.com.br

 

Toda a correspondencia para:

1) filosofia-xauteriana@numericable.fr

2) ltsc@iol.pt

3) pablonodrade@sapo.pt

4) filosofia-xauteriana@iol.pt

publicado por filosofia-xauteriana às 20:01 | comentar | favorito