Critica da Liberdade abstracta N° 7 -- A

      Jà, anteriormente, tinhamos focado este emprego da noção de Liberdade, aquando da luta do capitalismo-nascente contra o feudalismo.

      O Poder dos feudais desenvolvera-se no quadro das relações imediatas do homem com a terra e os outros homens: no quadro da comunidade natural, patriarcal. Quando os feudais constituiram o poder, a artimanha residiu em respeitar ( na aparencia ) a comunidade, de se apresentarem como seus membros e defensores. Mais tarde, quando emerge o poder monarquico ( forma superior e prolongamento do feudalismo ), então que o conteudo da vida social jà se tinha modificado profundamente, o Estado-real empregou a mesma tactica; pretendeu que defendia e, até mesmo fixava para a eternidade, as comunidades organizadas: comunidades de aldeia, comunidades urbanas, artisanais...

      A burguesia progressista manifestou-se, primeiramente como elemento negativo e dissolvente -- o << lado mau >> das coisas e dos homens:

      -- Foi o lado-mau quem produziu o movimento que escreveu a Historia. Se na época do feudalismo, os economistas ( entusiasmados pelas virtudes cavaleirescas, de boa harmonia entre os direitos e os deveres, da vida patriacal das cidades, do estado de properiedade da industria domestica dos campos, do desenvolvimento da industria organizada pelas corporações, etc. ) e tudo quanto constituia o mundo-requintado do feudalismo se tivessem proposto eliminar as sombras deste belo-quadro ( servos, previlegios, anarquia ), que teria acontecido? Teriam destruido todos os elementos de luta e afogado o germen do desenvolvimento da burguesia. Ter-se-ia caido no problema absurdo de eliminar a Historia...  ( " Miseria da Filosofia ", capitulo II, 7° observação ).

      A burguesia desenvolveu as forças produtoras, quebrando os limites da organização feudal. Esta ruptura produziu-se porque o << lado-mau >> desta sociedade, o seu inconveniente << foi sempre crescendo, até que as condições materiais da libertação conseguiram atingir a maturiedade >>.

      A Liberdade, para a burguesia ascendente, tem ( portanto ) um aspecto duplo: negativo e positivo.

Negativamente, a ideia de Liberdade significa a dissolução das relações feudais. Positivamente, significa a libertação da burguesia, a sua ascenção ao lugar de classe dominante.

 

( a continuar na proxima Quarta-feira, dia 21 de Março de 2012, em " N° 7 -- B " ).

 

Outras das nossas publicações:

1) http://filosofiaxauteriana.wordpress.com

2) http://DemocraciaPopular.wordpress.com

3) www.polemicando.com

 

Todo o correio devera ser endereçado para:

1) filosofia-xauteriana@numericable.fr

2) ltsc@numericable.fr

3) ltsc@iol.pt

4) pablonodrade@sapo.pt

 

Poderão encontrar-nos:

1) no FACEBOOK, em LiberdadeReal JustiçaSocial

2) em Pablo Oñora de Andrade, no http://twitter.com

publicado por filosofia-xauteriana às 17:17 | comentar | favorito