Critica da Liberdade-abstracta N° 10-D

     Em 1860, na " Neue Rheinische Revue ", Marx escreveu:

     -- O Estado burgues não é outra coisado que um seguro mutual da classe burguesa contra os seus membros isolados e contra a classe explorada.

    Depois dos movimentos fracassados de 1848, Marx e Engels reconheceram o caracter concreto do Estado burgues. Que esconde esta abstracção: o Estado --este conjunto de ficções sobre o << contrato-livre >>, as <<livres-opiniões >>, as << liberdades individuais >> e as << livres-iniciativas >>? Que se encerra no feiticismo-juridico e politico? O feiticismo-economico, a alienação economica e politica: o Capital!

      Mesmo quando este Estado jà representa um progresso!... Primeiro, porque substituiu as velhas formas de Estado, que eram ainda mais opressivas; depois, porque ele revela a existencia das classes.

     Evidentemente, procura esconde-las -- para ele, as classes não existem;  apenas existiriam os individuos, << livremente >> ligados por um contrato, ou quase-contrato social. Entretanto, porem, a liberdade juridica e politica dos individuos ( esta ficção) não se separa duma outra ficção: a igualdade.

     Juridicamente, os individuos (no Estado burgues-democratico ) são iguais, pela lei -- não ha senão uma lei e um codigo, para todos os individuos. Ora, é aqui, nesta fantasmagorica igualdade juridica que se torna sensivel, gritante, a desigualdade economica e social!

 

( acontinuar na proxima Quarta-feira, dia 25 de Abril de 2012, em "N° 10 - E " ).

 

Outras das nossas publicações, em:

1) http://filosofiaxauteriana.wordpress.com

2) http://polemicando.over-blog.com     ou    www.polemicando.net

 

Endereços de nossos Emails:

1) filosofia-xauteriana@numericabler.fr

2) ltsc@numericabler.fr

3) filosofia-xauteriana@iol.pt

4) pablonodrade@sapo.pt

    

publicado por filosofia-xauteriana às 19:14 | favorito