Ora vejamos, agora...N°3

      No binomio: Senhor/Escravo.

      O senhor vê-se obrigado a conservar o escravo, na sua escravidão -- para tal, precisa de o controlar sem relaxe; intimida-lo, obrigando-o a trabalhar; deve ( tambem ) conservar o seu prestigio de "Senhor", fazendo-se passar como pertencente a uma outra especie. Violencias e comedias são necessarias ( ao "Senhor" ) para conservar o seu escravo. Ora, tudo isto não fica exterior à vida do " Senhor": penetra-a, vai determina-la profundamente.

      Neste sentido ( e visto que a sua vida esta determinada pela situação relativa ao seu escravo ), relativamente a si proprio ( a ele, o " Senhor " ) torna-se em escravo do Escravo.

      Atentemos tambem: o " Senhor " encontra-se separado da natureza e do trabalho.

      Desta maneira, o " Senhor " perde todo o contacto com aquilo que mantem o ser humano e que faz dele um homem. Transforma-se num ser não-natural, ficticio. Degenera ( ele ou os seus descendentes ) e a linhagem dos " Senhores " decompõe-se e apodrece. Afastado da pratica ( ou não tendo outra pratica do que aquela que diz respeito a dominar ) torna-se um ignorante, um bruto sem espirito ou, mais simplesmente, num verme-humano.

      O Escravo, pelo contrario ( tendo ficado em contacto com o real, com a natureza, com o trabalho ) não degenera. Adquire conhecimento, experiencia, tecnica! O progresso da sua consciencia e o deploravel espectaculo do " Senhor ", tornam intoleravel a sua escravidão -- a degenerescencia do " Senhor " convence-o de que a sua situação é injustificavel.

      Forçosamente que chegara o dia em que o Escravo estara pronto para recomeçar a luta, no decurso da qual ele principiou ( primitivamente ) enquanto vencido; e ira recomeçar uma luta-à-morte, em condições novas que ( desta vez ) lhe asseguram o sucesso. Seja: surgem FORMAS MAIS ALTAS de CONSCIENCIA E DE LIBERDADE.

 

  ( a continuar na proxima Segunda-feira, dia 19 de Dezembro de 2011, em " N° 4 " ).

 

 

Acompanhe os nossos textos seguindo http://filosofiaxauteriana.wordpress.com

publicado por filosofia-xauteriana às 23:18 | comentar | favorito