Capitulo III - 1° a

                                  RUMO PARA A LIBERDADE-CONCRETA

 

                             -------------------- // -----------------------------

     

      Para avançarmos para a Liberdade, necessitamos emprender a seguinte tarefa: desembareçarmo-nos da ficção duma Liberdade-abstracta, definida pela independencia da << consciencia de si >> e o não-condicionamento da actividade individual ou social.

      Esta ficção separa os elementos da realidade humana: o homem das suas condições de existencia ( o pensamento do seu objecto e do seu mundo ) a actividade dos seus meios e possibilidades reais -- a consciencia do seu conteudo.

      A tese da independencia-abstracta da consciencia-de-si jà tinha sido criticada por Hegel. Ele mostrou quanta ironia ( a ironia " objectiva " do futuro sendo um dos aspectos da dialectica ) carrega a consciencia que se pretende independente e << livre >>, exactamente para aquilo que ela não pretendia.

      Embora Hegel tenha ( precisamente ) caido em contradição com ele proprio, na ratoeira da subjectividade independente, transcendente à objectividade, negando-a infinitamente e implodindo,  toda a critica da consciencia sem conteudo ou separada do seu conteudo objectivo fica um dos aspectos profundos, correspondendo à vasta experiencia humana, do hegelianismo.

      Marx retomou e aprofundou esta critica -- primeiramente aplicando-a a Hegel e, em seguida, a toda a Filosofia-especulativa, pela qual o filosofo crê tirar da sua consciencia ( da sua cabeça ) o universo.

      Dada a prodigiosa ignorancia e a mà-fé da maior parte das pessoas que falam do marxismo, não devemos recear repetir: Marx e o materialismo-dialectico não eliminam a subjectividade. O materialismo-dialectico constacta que o progresso da consciencia, a sua crescente lucidez ( a << subjectivação >> ) não se seperam dum outro progresso: o do poder humano sobre a natureza, solidario da constituição dum mundo humano de objectos, de produtos da actividade. Não existe sujeito sem objecto -- não ha << subjectivação sem objectivação >>.

 

( a continuar na proxima Quarta-feira, dia 20 de Junho de 2012, em " Capitulo III - 1° b " ).

 

Conheça as nossas outras publicações, lendo:

1) http://filosofiaxauteriana.wordpress.com  ( às Terças, Quintas e Sabados )

2) http://polemicando.over-blog.com

                    ou                                                     ( às Quintas e Domingos )

     www.polemicando.net

 

Envie seus E-mails para:

1) filosofia-xauteriana@numericabla.fr

2) ltsc@numericable.fr

3) pablonodrade1@gmail.com

4) pablonodrade@sapo.pt

publicado por filosofia-xauteriana às 13:15 | comentar | ver comentários (1) | favorito