CAPITULO V - 3°

      O caminho da liberdade passa pela ditadura-do-proletariado -- não como uma prova, mas num processo necessario e progressivo. << Esta ditadura constitui unicamente o periodo de transição desde a supressão das Classes até à sociedade-sem-Classes. >> ( Marx, Carta para Weidemeyer ).

      Sobre a " ditadura do proletariado ", correntemente cometem-se dois erros, originados na ignorancia ou na mà-vontade.

      O primeiro ataca a " ditadura do proletariado " em nome da democracia e da Liberdade -- sem especificar que se trata da democracia-burguesa e da Liberdade-abstracta ( ou liberdade para o capital ). Aqui, a ratoeira ideologica reside na confusão entre o conceito burguês da Liberdade, conceito momentaneo, e que se deve ultrapassar, e a << Liberdade em si >>, metafisica. Da mesma maneira que se procura confundir a propriedade dos meios-de-produção com o pretendido principio eterno e absoluto de propriedade -- com a noção da apropriação individual dos bens e dos produtos. Estes dois exemplos chegam para revelar em que confusão ( PRETENDIDA ) se desenrola a luta ideologica e politica.

      O segundo erro apresenta a " ditadura do proletariado " como uma epoca de anarquia e de arbitrariedade ( quando a violencia-revolucionaria poderia e deveria reduzir-se à simples ameaça, não sendo mais do que uma replica à violencia burguesa ), quando ( na realidade ) trata-se da passagem para uma organização de nivel muito superior: a organização da Liberdade.

 

( a continuar na proxima Quarta-feira, dia 8 de Agosto de 2012, em: " CAPITULO VI " ).

 

Conheça as nossas outras publicações actuais, lendo:

1) http://filosofiaxauteriana.wordpress.com

2) http://polemicando.over-blog.com

                       ou

     www.polemicando.net

 

Podera encontrar-nos em:

1) Facebook -- LiberdadeReal JustiçaSocial

2) Twitter -- Pablonodrade1

 

Vossos E-mails merecerão especial atenção em:

1) filosofia-xauteriana@numericable.fr

2) ltsc@numericable.fr

3) pablonodrade@sapo.pt

4) pablonodrade1@live.fr

publicado por filosofia-xauteriana às 08:08 | favorito