Vejamos agora...N°6

      Vimos acerca do Estoicismo: " A Independencia é sempre uma ilusão ".

      Acontece o mesmo, para a consciencia cristã. 

      Note-se que o cristianismo ultrapassa o judaismo, limitado à submissão à lei divina -- enquanto ela propria sendo lei.

      O cristianismo centra-se num deus menos inacessivel e menos duro do que Jeovà -- uma simples figura da Lei. Porem, acontece-lhe pior. Quere separar-se da vida carnal, mas não pode! Então, vive no pavor desta carne repulsiva, na obsecação do pecado. A sua procura de pureza transforma-se na total perca de inocencia e da espontaniedade -- em impureza doentia.

      Esta Liberdade não vai ( ainda ) alem duma "consciencia-infeliz", dividida contra ela propria, alienada, ironicamente transformada pelo futuro: naquilo que ela não queria ser!

      Eis a Fenomenologia do Espirito mostrando ( como todas as teses sobre a Liberdade ) como todas as formas da Liberdade voltaram ( num determinado momento historico )  ao seu lugar no desenvolvimento da consciencia.

     

      A dialectica hegeliana responde a esta procura abstracta, ao mostrar a determinação interna e o futuro nascendo de qualquer Liberdade -- tanto na sua noção como na propria realidade vivida.

      Consequentemente, se colocarmos o << problema >> duma escolha entre a Liberdade absoluta e o determinismo absoluto, não encontraremos senão um caso particular de << consciencia infeliz >> -- dividida nela mesma, sem se reunir ( nos seus momentos como nos seus elementos ) e, portanto, perdendo-se no exterior da sua propria vida concreta, na deriva de multiplas abstracções.

 

  ( a continuar na proxima Segunda-feira, dia 26 de Dezembro de 2011, em " N° 7 " ).

 

 

 Complementarmente, consulte: http://filosofiaxauteriana.wordpress.com

 

 

Toda a correspondencia devera ser endereçada para: filosofia-xauteriana@numericable.fr

publicado por filosofia-xauteriana às 23:50 | favorito