Ora vejamos, agora...N°13

      Feuerbach mostrou que << a posição, a afirmação e a manifestação de si-proprio >> não pode ser senão << a posição materialmente certa e fundada sobre ela-mesma >>; e que a abstracção filosofica não é senão << um outro modo de alienação do ser humano >>, ao mesmo titulo que a religião, o Estado, o dinheiro, etc.

      Para Hegel, << a materialidade ( enquanto tal ) passa por uma relação alienada >>; o objecto da consciencia-de-si exteriorisada, arrancada a si -- de tal maneira que, segundo ele, a supressão da alienação e da Liberdade produzem-se como supressão da materialidade e como pura espiritualidade.

      Foi preciso Karl Marx para inverter este movimento.

      Assim, com Marx, iremos vêr que << O Homem é imediatamente um ser natural >> e, como tal, ele tem << objectos reais, sensiveis, enquanto objecto do seu ser >> -- Seja, tem necessidades!

 

   ( Excepcionalmente encurtamos este texto de hoje, a fim de facilitarmos a polemica com os nossos leitores. Prossegiremos, portanto, este interessante capitulo na proxima Quarta-feira, dia 11 de Janeiro de 2012, em " N° 14 " ).

 

 

Sugerimos que complementem, lendo o espectrograma do Saber ( Gnose ) que publicamos em: http://filosofiaxauteriana.wordpress.com

 

 

Toda a correspondencia devera ser endereçada para: filosofia-xauteriana@numericable.fr

publicado por filosofia-xauteriana às 00:02 | favorito